Personalidades negras serão tema de circuito de artes

Bruno Barbi irá sistematizar o restauro de obras do centro histórico

Personalidades negras serão tema de circuito de artes
Personalidades negras serão tema de circuito de artes

Desde 2013 o artista Bruno Barbi vem pintando personalidades negras, rostos criados por ele ou homenageando gente que faz a luta diária na cidade. De forma independente e com recursos próprios, criou um circuito de arte urbana na região do centro histórico, que foi ganhando outras áreas com o tempo, como o alto dos morros e o centro expandido, além de bairros mais afastados, num intuito de chamar a atenção de uma cidade que teve e tem como postura o apagamento sistemático do seu povo negro, parcela significativa da população da cidade, com destaque fundamental na construção urbana, social e cultural de Florianópolis. 


“Na região do centro histórico, o povo negro morava, trabalhava na construção civil, no pequeno comércio de rua e na lavação e costura de roupas para a elite local. Com o avanço da urbanização, a especulação imobiliária e o interesse da burguesia da região, o processo de higienização do centro empurra essa população para os morros, continentes e bairros periféricos. Com meu trabalho, busco contribuir no resgate histórico, na contação dessa história, na preservação da memória e em alguma medida, oferecer a devolução do território, na medida em que se vêem, se identificam, se valorizam e se sentem pertencentes à cidade.” Diz Bruno. 


Este ano, o Street Art Tour convidou o artista para sistematizar a restauração das obras do centro histórico. Nesse raio da cidade que excluiu a população negra, foram mapeadas 16 pinturas em armários telefônicos que serão recuperadas, refeitas ou recriadas. 


Estas intervenções urbanas constituirão o CIRCUITO CIDADE NEGRA, iniciam na quarta-feira dia 16/06, serão dois meses de produção e que resultarão ainda em um Documentário e num Tour Guiado. Tudo isso poderá ser acompanhado pelas redes sociais do Street Art Tour @streetarttourfloripa. 


Desta vez, em meio à uma consciência mais apurada da luta contemporânea, que reverencia os ancestrais e reivindica um futuro digno e seguro para as novas gerações,
Bruno Barbi, chega com a ideia de homenagear, em sua grande maioria, mulheres negras do front, do campo de luta hoje. 


Numa seleção pessoal e porque não afetiva do artista, 16 nomes locais e nacionais de negras e negros, de todas as gerações, serão pintadas nas caixas de telefonia da região que fica entre o Maciço do Morro da Cruz e o terminal Rita Maria para negritar um grito de que ‘FLORIANÓPOLIS TAMBÉM É NEGRA’. 
A realização é do Street Art Tour, um movimento de valorização, produção e difusão da arte urbana e que tem:

 
Apoio Cultural: APCEFSC; Brognoli Negócios Imobiliários; Cambirela Hotel; Corporate Park; Fiori Empreendimentos; Hotel Valerim Florianópolis; Santa Rita Materiais Elétricos 
Apoio: Colormar Tintas; Coral Tintas; Wanted
Coordenação geral: Studio de Ideias 

Patrocínio: 
Prefeitura de Florianópolis, Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer, Fundação Cultural de Florianópolis Franklin Cascaes por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura nº 3659/91.

ARTISTA 

Sobre Bruno Barbi
Formado em arquitetura, desde 2011 dedica-se exclusivamente às artes visuais, procurando dar visibilidade à causa antirracista, busca por através desse trabalho aprender e entender mais sobre as pautas que se interseccionam e estruturam a desigualdade brasileira.
A partir de 2013 de forma independente, passou a pintar rostos negros pelas ruas da cidade de Florianópolis, primeiramente no trajeto que considera ‘o caminho negro’, que é justamente entre o maciço do Morro da Cruz e o centro comercial propriamente dito.
Aliada à sua trajetória artística está envolvido em frentes integradas aos movimentos sociais organizados, como a Feira Afro Artesanal.